Todos os posts em: Gastronomia

Só Belém me conquistou assim! #Parte1

Manu, Estamos numa paradinha pra cortar canarana da margem pros bois de nossos jantares. Amanhã se chega em Manaus e não sei que mais coisas bonitas enxergarei por este mundo de águas. Porém me conquistar mesmo a ponto de ficar doendo no desejo, só Belém me conquistou assim. Meu único ideal de agora em diante é passar uns meses morando no Grande Hotel de Belém. O direito de sentar naquela terrace em frente das mangueiras tapando o teatro da Paz, sentar sem mais nada, chupitando um sorvete de cupuaçu, de açaí. Você que conhece mundo, conhece coisa melhor do que isso, Manu? (…) Belém eu desejo com dor, desejo como se deseja sexualmente, palavra. Não tenho medo de parecer anormal pra você, por isso que conto esta confissão esquisita mas verdadeira que faço de vida sexual e vida em Belém. Quero Belém como se quer um amor. É inconcebível o amor que Belém despertou em mim… Um abraço do Mário. Mário de Andrade (Carta escrita ao poeta Manuel Bandeira durante viagem à Amazônia, em 1927) …

“Salir de tapas” nos mercados gastronômicos de Madrid

Hoje vou contar uma história de amor… Conheci o Vinícius, meu marido, em outubro de 2014. Mais ou menos um mês depois, apareceu uma daquelas promoções INSANAS de passagens aéreas: cerca de R$ 600 (com taxas!) pra Madrid. Já passei por algumas experiências de encontrar essas promoções por aí e a única regra é: compre no SEGUNDO que você ver. É loucura comprar uma passagem pra Europa dali a sete meses com um quase desconhecido? É. Mas como eu disse antes, bug de passagem aérea é assim mesmo: não dá pra pensar, apenas comprar. A aposta deu certo: permanecemos juntos, e embarcamos para nossa primeira grande viagem em maio de 2015. Chegamos na Europa felizes e ansiosos pelos próximos dias, que ainda englobariam Barcelona, Paris, Veneza, Florença e Roma. Mas, first things first: 5 dias em Madrid. Quando viajo a alguma cidade nova, eu sempre gosto de ter experiências gastronômicas fortes e que me falem sobre o lugar já no primeiro dia. Então, logo depois de deixar as malas no hotel, corremos para o Mercado de San …

Chapada dos Veadeiros: onde comer bem em Alto Paraíso

Depois de passar o dia percorrendo a exuberante natureza da Chapada dos Veadeiros em atividades que envolvem trilhas, cachoeiras, formações rochosas e piscinas naturais,  o fim da tarde é hora de recuperar as energias e relaxar. Já que os turistas costumam levar lanches para os passeios – que, em sua grande maioria, duram o dia inteiro -, o principal sistema usado para refeições em Veadeiros é o famoso “almojanta”, o almoço tardio, próximo ao jantar, no retorno à cidade. No centro de Alto Paraíso de Goiás, a cidade em que ficamos hospedados, os estabelecimentos são bastante diversificados e surpreendem no sabor, oferecendo receitas que combinam ingredientes do cerrado. Por lá, você vai encontrar restaurantes e bares com ambientes despojados, mas muito aconchegantes e animados, geralmente com músicos locais se apresentando. Para os veganos e vegetarianos, também existem diversas opções de lugares que trabalham exclusivamente com esse tipo de culinária. Veja abaixo os lugares onde comemos (e recomendamos!): Rancho do Waldomiro Quem chega à Chapada e deseja começar com uma boa experiência em comida regional não pode deixar …

Nova Petrópolis: o banquete alemão do Colina Verde

Almoço de domingo! Não sei você, mas eu acho que esse momento da semana tem uma aura especial (tanto que escolhi exatamente esse dia e horário para celebrar o meu casamento). É o dia tradicional da churrascada, do pique-nique, da reunião de família, tudo sempre envolvendo muita comida! Enfim, é dia de caprichar no cardápio! Há algumas semanas, eu e o Vini decidimos honrar o domingo, e subimos a Serra para almoçar no Colina Verde, restaurante de Nova Petrópolis que muita gente vinha nos indicando há bastante tempo. A cidade fica a aproximadamente 90km de Porto Alegre, você chega lá de carro em cerca de 1h30. O setor gastronômico é um dos pontos fortes do turismo na Região das Hortênsias, que ainda inclui os municípios de Gramado, Canela e São Francisco de Paula. É muito difícil resistir à tentação de não parar em algum restaurante no caminho (que, por sinal, é muuuito bonito nessa época do ano, cheio de plátanos com folhas amareladas). Mas estávamos focados em subir a colina! Restaurante Colina Verde Comandado pela família …

Curitiba, a cidade amiga (dos foodies)

Eu tenho muito carinho por Curitiba. Conheci a cidade há alguns anos, em uma viagem que decidi fazer sozinha. Estava em uma fase um pouquinho deprê da vida e resolvi “afogar as mágoas” da melhor forma: viajando. Passeei pelas ruas floridas do centro, comi muito galeto no maior restaurante das Américas, vi as belas projeções de Natal no Palácio Avenida e até passei um certo perrengue quando tive o meu celular roubado (ei, Curitiba não era a capital mais segura do país?). Depois de três dias bem aproveitados, voltei pra casa com a sensação de ter feito uma nova amizade. A cidade foi uma ótima companheira naqueles dias tristes e a viagem fez eu me sentir muito melhor. Então sempre que eu tenho a oportunidade de ir à Curitiba, eu aproveito. Por ser próxima à Porto Alegre, as passagens às vezes ficam bem baratinhas, e é um ótimo passeio de final de semana. No início do ano passado, voltei à cidade com meu marido, com o objetivo principal de fazer o passeio de trem a Morretes …

Doce Paris: uma seleção de confeitarias imperdíveis na cidade

Você está pronto para um banho de açúcar? 🙂 A pâtisserie, ou confeitaria, é um dos destaques da gastronomia francesa. Para mim, comer um mille-feuille do Jacques Genin ou os macarons do Pierre Hermé são experiências mais marcantes do que tentar tirar uma foto da Monalisa no Museu do Louvre. Como contei nesse outro post, viajamos pra lá no final de 2017 com o objetivo de comer MUITO!  Então, fiz o tema de casa, e montei um roteirinho para visitar algumas das principais confeitarias de Paris. Veja aqui as que mais gostamos: Angelina A Angelina é uma famosa casa de chás parisiense, com várias filiais em Paris, Versailles e até outros países. Fomos na loja que fica no Musée de Luxemburg, dentro do Jardin du Luxembourg. Provar o “carro-chefe” da casa, o chocolate quente, era o nosso objetivo principal por lá. Ele é servido em um bule, acompanhado de chantilly. Ele casou bem com o friozinho que estava fazendo. A casa também tem alguns doces clássicos, como o Mont Blanc e o Saint Honoré, mas decidimos experimentar esse …

Comendo (muito) bem e (relativamente) barato em Paris

No final de 2017, fiquei uma semana em Paris com um objetivo claro: devorar a capital mundial da gastronomia! (Veja também como foi o nosso tour de confeitarias por lá. 😉 ) Como Paris é uma cidade cara, o Euro está cada vez mais alto, e eu (ainda) não sou paga para viajar, busquei conhecer os restaurantes especiais e gostosos, mas acessíveis ao bolso. Estas foram as minhas melhores descobertas: Les Cocottes O Les Cocottes é um dos restaurantes do aclamado chef parisiense Christian Constant, e tem um ótimo custo-benefício. Christian foi jurado de um dos maiores programas de culinária da TV francesa e já foi chef do aclamado hotel Ritz de Paris. O Les Cocottes está localizado a poucas quadras da Torre Eiffel, então é um excelente local para almoçar no dia que você se programar para conhecer essa região da cidade. Entrada: Ravioles de langoustines, mousseline d’artichauts, coulis de crustacés. O restaurante está no guia Michelin Bib Gourmand 2018. Principal: Pommes de terre caramélisées farcies au pied de porc. Sobremesa: Clafoutis aux fruits …

Cuba: os deliciosos paladares de La Habana

A comida de La Habana me surpreendeu super positivamente, comemos muitíssimo bem por lá. A gastronomia cubana tem influência das cozinhas espanhola e africana, e é bastante temperada. As principais receitas contam com frutos do mar, arroz, feijão preto, banana e mandioca. Para conhecer a autêntica gastronomia da ilha, os melhores lugares são os paladares da cidade, restaurantes privados que nasceram no princípio dos anos 90. Os paladares têm esse nome por conta da novela brasileira Vale Tudo, que era muito popular em Cuba na época da criação desse tipo de estabelecimento. Na história, a protagonista tinha uma cadeia de restaurantes chamada Paladar. Abaixo, listo os paladares que mais gostamos em La Habana! 🙂 Los Nardos/ El Trofeo Primeiro dia na cidade, chegamos famintos e fomos direto para o Los Nardos. Mas, apesar de ser em torno de 15h, o restaurante tinha muita fila. Então, o garçom nos ofereceu uma mesa no El Trofeo, restaurante que fica no segundo andar do Los Nardos e compartilha a cozinha e o cardápio, porém com o preço melhor. …

Ilhas Seychelles: a saborosa gastronomia creole

Nossa Lua de Mel nas Seychelles foi cheia de praias incríveis e cenários paradisíacos. (Já leu sobre a nossa experiência em Mahé, Praslin e La Digue?) Mas, a “cereja no bolo” dessa viagem foi a deliciosa gastronomia das ilhas. Conhecida como “creole”, a culinária do país tem um sabor único, e as referências são multiculturais. De sua origem colonizatória: as influências francesa e britânica. De sua região geográfica, os sabores picantes da Ásia e da África. Por ser um arquipélago, os pratos mais populares de sua cozinha são à base de peixe e de frutos do mar. As especiarias e temperos também são muito presentes na comida, como a baunilha, noz-moscada, leite de coco, capim limão e a canela. Imagina tudo isso misturado: delícia demais! Experimente: Os deliciosos currys (pratos ensopados e condimentados) Eu não posso ver camarão no cardápio, que já vou logo pedindo. E, basicamente, todos os restaurantes de lá tinham esse prato, mas cada curry tinha um sabor diferente e incrível. Red snapper (um peixe de cor avermelhada da região), também conhecido como bourzwa Se …

Port Antonio: Bamboo Rafting e a melhor refeição da viagem

Um passeio que estava em nossa “TO DO list” de Port Antonio era o Bamboo Rafting, no Rio Grande. Como já contei em outro post, Port Antonio ainda não está muito preparada para o turismo, então é um pouco difícil encontrar as informações sobre as atrações da região. Na pousada que nos hospedamos, durante o café da manhã perguntamos ao cozinheiro sobre o passeio e ele ofereceu para nos levar até o local por U$ 15, dirigindo em nosso carro. Eu já havia lido que o trajeto até a saída do rafting deveria ser feita de táxi, pois é um caminho bem distante, então aceitamos a oferta. O percurso durou cerca de 30 minutos e passamos por vilarejos de imigração indiana e muitos lugares com uma vegetação nativa exuberante. Fomos bem longe e certamente indo de GPS ficaríamos assustados, o local era bem afastado. Chegando lá, o nosso motorista indicou seu primo para pilotar nossa jangada, e levou o nosso carro para nos esperar no final do passeio, em outro ponto do rio. No local …