Últimas, Comida, Destinos no exterior, Gastronomia, Portugal
Deixe um comentário

Portugal: onde comer bem no Porto

Porto foi a nossa última parada em Portugal. Nessas alturas, eu já estava tão apaixonada pelo país que caminhei pelas ruas da cidade com sentimentos que mesclavam a alegria de um primeiro encontro e a melancolia do adeus que se aproximava.

E que cidade linda! O Porto do Rio Douro, das igrejas cheias de azulejos, das caves e das pontes. O Porto da gastronomia!

Fomos em alguns restaurantes na Invicta (apelido da cidade) que entraram na lista dos melhores da vida. Também experimentamos pratos típicos muito surpreendentes, como a Açorda de Mariscos e o Galo à Bordalesa.

Não foram tantos dias no Porto, mas vivemos momentos intensos e marcantes. Vem ver os lugares que amei por lá e que super indico! 😉

Adega São Nicolau

A Adega São Nicolau já estava no meu roteiro (inclusive eu já sabia até o que pedir antes mesmo de olhar o cardápio).

Foi o nosso primeiro almoço no Porto e aqui inicia a nossa maré de sorte: chegamos lá ao meio-dia, sem reserva, e conseguimos a última mesa disponível.

A Adega São Nicolau fica em uma pequena ruela próxima ao rio. O restaurante conta com algumas mesas internas e outras externas (que, pra mim, são as mais legais – foi numa dessas que sentamos).

Em seguida, veio a entradinha: um delicioso bolinho de bacalhau que já me deu uma alegria imediata. Quentinho, crocante por fora, delicioso.

E então é chegado então momento de fazer o pedido que já estava na ponta da língua (tarefa bem difícil, aliás: o cardápio era curto mas tudo parecia delicioso).

Mas quando li em um blog ou dois que o Galo à Bordalesa da casa era incrível, minha barriga roncou de ansiedade, porque eu gosto muito de frango! Foi esse o meu pedido.

Cozido no vinho tinto, o Galo à Bordalesa foi sem dúvidas o melhor frango que eu já comi na vida. Tempero forte, marcante, bom de um jeito que não sei explicar. ❤️

Galo à Bordalesa

Já o Vinícius escolheu o Polvo à Lagareiro e só digo uma coisa pra vocês: dava pra cortar com a colher! Sensacional!

Eu acho tão legal esse tipo de preparo que não envolve molhos complicadíssimos e várias etapas. É cozinha de ingrediente, gostosa, bem feita.

Polvo à Lagareiro

Ah, as porções são individuais, mas muuuito bem servidas. Comemos tudinho!

Se a nossa estadia no Porto fosse só esse almoço, eu já estaria satisfeita. Felizmente não foi…

Endereço: Rua de São Nicolau, nº1.

Taberna dos Mercadores

Eu não lembro como chegamos no assunto, mas em algum momento da nossa conversa com o garçom da São Nicolau ele nos comentou que os mesmos proprietários de lá também tinham outro restaurante que estava super “em alta” na cidade. Era a Taberna dos Mercadores.

Pesquisei no Google sobre a casa e descobri que era a nº1 no Tripadvisor no quesito “frutos do mar no Porto”. Tá, precisamos ir lá agora mesmo!

Chegamos em um sábado na Taberna, sem reserva. O restaurante é super pequeno, com cerca de 16 lugares disponíveis. Lembrando: lugar famosinho, sábado, Ribeira transbordando de turistas, poucos lugares. E CONSEGUIMOS UMA MESA! Lembra que falei de uma sequência de golpes de sorte?

Depois da gente, acho que pelo menos umas 40 pessoas passaram por lá pedindo mesa, querendo esperar. Ninguém mais conseguiu um encaixe.

Quando os pratos chegaram e começamos a comer eu não conseguia pensar em outra coisa a não ser: SORTE, SORTE, SORTE.

Foi na Taberna que comemos o prato que mais nos surpreendeu em Portugal: a Açorda de Mariscos.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A Açorda é feita com pão dormido, cozido em um caldo de mariscos. A textura fica semelhante a uma polenta, e o sabor… uma explosão de mar na boca! Ai, que delícia! Se você for lá, come isso por mim porfavorzinho? 🤤

Açorda  - Taberna dos Mercadores

Pedimos também outro prato típico de Portugal que eu estava curiosíssima pra experimentar: a feijoada de mariscos. Caldo encorpado e cheio de sabor de frutos do mar e linguicinha defumada misturados. Quero comer isso em todos os próximos invernos!

Feijoada de Marisco - Taberna dos Mercadores

E então, novamente conversando com o garçom… descobrimos que os mesmos donos do maravilhoso Adega São Nicolau e do sensacional Taberna dos Mercadores tinham ainda um TERCEIRO restaurante.

Assim meu coração não aguenta…

Endereço: Rua dos Mercadores, nº 36.

Terreiro

Já que nos dois primeiros o amor foi eterno e verdadeiro, a gente tinha que ir na outra casa criada pelo gênio António Coelho (falecido em 2017).

O Terreiro é o restaurante do trio que tem a vista mais privilegiada – fica de frente para o Douro e Vila Nova de Gaia. O ambiente é uma delícia, com mesas externas que convidam você a curtir o almoço sem pressa.

E no Terreiro, novamente, os sortudos conseguiram mesa sem reserva. (Sério, gente, não façam como nós, não sejam vidaloka, poderia ter dado muito errado – de novo vimos várias pessoas saírem sem conseguir sequer uma chance de esperar.)

Pedimos o Bacalhau à Terreiro, com legumes e crosta de broa. Bacalhau virou meu novo comfort food, de verdade. Tava maravilhoso!

Bacalhau à Terreiro

Pedimos também o meu queridinho Arroz de Marisco, que veio SUPER caldeado e com muitos frutos do mar. Olha o coentro ali nadando bem lindo! ❤️

Arroz de Marisco Terreiro

Mas aqui deixo um adendo: ao contrário da Adega São Nicolau e da Taberna dos Mercadores, lá o atendimento era bem mais frio.

Endereço: Largo do Terreiro, nº 11/12.

Cervejaria Brasão

Tá, chega de nepotismo, né?

Hora de variar a administração e também o cardápio. Hora de experimentar a famosa Francesinha do Porto!

Pesquisei muito para escolher o melhor local para comer a Francesinha, e cheguei em lugares que são bem conceituados: Café Santiago, Lado B e Brasão. A dúvida foi grande, mas acabei escolhendo pela que me pareceu mais apetitosa visualmente, a Brasão.

Vocês estão interessados em ouvir mais uma saga dos sem-reserva? hahahah

A Brasão tem duas casas – a Aliados (mais tradicional) e a Coliseu (mais nova). Chegamos na Aliados e a casa já estava lotada. Lá, se não tiver reserva, a situação fica difícil. Mas prontamente a recepcionista já ligou para a Coliseu e deixou uma mesa reservada pra gente. (Mas na Coliseu acredito que mesmo sem reserva todo mundo consegue entrar, o local é enorme!)

Bem, vamos à Francesinha!

A Francesinha é feita com dois pães de forma grossos, recheados com bife bovino, linguiça, salsicha fresca, presunto e queijo. O sanduíche é levado ao forno coberto com molho de tomate, mais queijo e um ovo com gema mole! Delícia, hein?

Ah, achei muito legal que o garçom trouxe uma cumbuca com molho extra. Claro que eu usei sem parcimônia!

Além da Francesinha super gostosa, comemos um Caldo Verde e duas sobremesas ótimas por lá. O ambiente da Brasão é descontraído e o clima de taberna é convidativo para experimentar as diversas cervejas e chopps do cardápio.

Francesinha do Porto - Brasão

Endereços: Rua de Ramalho Ortigão, nº28/ Rua de Passos Manuel, nº 205.

Gazela

Em termos de turismo gastronômico, um dos meus ídolos e grandes inspirações é o querido Anthony Bourdain, que infelizmente nos deixou em 2018. Mas o conteúdo que ele deixou sobre diversas cidades do mundo ainda me acompanha na hora de programar os meus roteiros – eu sempre vejo os programas do Bourdain sobre os destinos que vou visitar.

Foi assim que eu descobri os Cachorrinhos do Gazela.

Eu e muita gente, na verdade. A casa aberta em 1962 passou a ser muito procurada pelos turistas depois de aparecer no programa. Quando chegamos lá, estava lotadinha! Muita gente espremida nos balcões com seus copos de cerveja gelada e seus pratos de Cachorrinhos.

A fama é justa. O pão fino e compridinho, recheado de salsicha, queijo e um molho levemente picante é realmente sensacional. E a simpatia dos funcionários é muito cativante.

Pra mim, essa é uma das experiências gastronômicas mais genuínas e imperdíveis do Porto! 😋

Cachorrinho do Gazela

Endereço: Travessa do Cimo de Vila, nº 4-10.

Conga – A Casa das Bifanas

Mais um lanchinho famoso do Porto: bora conhecer a Conga – estabelecimento aberto em 1978.

A Bifana da Conga é um sanduíche de carne de porco cozida em um molho picante. Só isso mesmo – pão e carne.

Visualmente ela não é bonita. Quando chegou na mesa eu até pensei: “ihhh, feio e grande demais, esse aí vai ficar inteirinho pro Vini”.

Aí cortei só uma pontinha pra provar. Depois cortei mais uma, e mais uma. E cada mordida era um deleite de carne molhadinha e picante.

– Uma cerveja da casa pra acompanhar, por favor. E nos traga mais uma bifana!

Essa viagem me ensinou muito a acreditar que, mesmo quando a comida não é bonitona, ela pode ser maravilhosa. (Já leu a história dos ossos do Zé Manel?)

Bifanas do Conga

Endereço: Rua do Bonjardim, nº 314.

E então, curtiram as sugestões? Eu gostei muito de escrever sobre elas, foi uma ótima maneira de reviver a nossa estadia e comilanças pelo Porto! 😋

Ah, como ficamos pouco tempo por lá, não deu tempo de comer tudo que a gente queria. Então vou deixar aqui também outras dicas de lugares que pesquisei e que eu gostaria de ter visitado.

Casa Guedes (para o sanduíche de pernil com queijo da Serra da Estrela); Adega Santo Antonio (comi o mousse – maravilhoso, mas dizem que a comida é ótima e com preço justo); Café Santiago e Lado B (para outras versões de Francesinhas); Rei dos Galos de Amarante (para experimentar o prato típico Galo à Cabidela); Flor dos Congregados e A Cozinha do Manel (restaurantes de cozinha portuguesa bem tradicionais).

Se você for em algum desses, depois me diz o que achou, ok? 😉

 

Se quiser ler todos os posts de Portugal, clique aqui.

Para acompanhar minhas viagens e experiências em tempo real, siga o meu perfil no Instagram e curta a minha página no Facebook. 😉

Deixe seu comentário! :)

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.