Últimas, Comida, Destinos no exterior, Gastronomia, Portugal
Deixe um comentário

Invicta Madragoa: um jantar memorável em Lisboa

Descobri o Invicta Madragoa na primeira página da busca pelos “melhores restaurantes de Lisboa” no Tripadvisor e, ao contrário dos vários outros que aparecem ali e não me chamaram a atenção, esse aqui me ganhou pelas fotos.

E não eram imagens de apresentações rebuscadas ou de pratos bem servidos. Foi a simplicidade que prendeu o meu olhar. Peixes inteiros servidos em pedras negras, e nada mais. Uma apresentação crua, simples, de quem já diz visualmente: “meu peixe é tão maravilhoso que não precisa de fru-fru”. Me ganhou, entrou para o roteiro.

A simplicidade autêntica do Invicta Magragoa

Chegamos no Invicta numa sexta-feira, por volta das 20h, e quem nos recebeu foi o Antonio, proprietário do local. (Diga-se de passagem, caminhamos bastante até chegar lá.)

Mas, como todo restaurante pequeno e maravilhoso, já estava lotado para aquela noite. O invicta tem apenas seis mesas e trabalha com o conceito de slow food, então não adiantava muito esperar, porque quem chega lá pra jantar, não sai tão cedo.

Reservamos para o outro dia.

8

No sábado, então, chegamos lá na hora marcada.

Quem nos recebeu foi o Antonio, novamente. Mas também os frutos do mar super frescos que ficam no balcão de entrada do restaurante.

9

O primeiro “carinho” da casa com os clientes é uma dose de Moscatel do Douro, um licor super docinho. Antonio nasceu no Porto, então nada mais adequado do que recepcionar os clientes com uma bebida de sua região.

10

Em seguida, chegou um pão, com o miolo mais macio que já comi, acompanhado de azeite com sal rosa do Himalaia (ralado na hora ali pra gente).

129

Pedimos a carta de vinhos, e Antonio nos perguntou: “branco ou tinto?”

– Branco.

– “Mais doce ou mais seco?”

– Mais seco.

E então, ele nos trouxe um vinho escolhido na sua pequena adega: Meio Queijo, da região do Douro (16 €).

Ótimo sistema pra quem não é sommelier, não é mesmo? 🙂

11

Pedimos de entrada os camarões, temperados com alho e gengibre (15 €).

E, aqui, me emocionei com o Invicta pela primeira vez.

Quem me conhece sabe que eu amo camarão. Eu sou dessas que, quando tem um prato com camarão no cardápio, em 80% das vezes é o que eu peço.

Gente, eis aqui o melhor camarão da vida:

12

Esses camarões tinham o sabor tão presente do gengibre e do alho, e vieram cobertos com o tempero que mais amo na vida, o coentro.

Mas não é só isso. O ponto era P E R F E I T O.

Eu esqueci a classe, comi com a mão, me esbaldei, quase chorei.

130

Hora de pedir o prato principal.

Nesse momento, eu quis experimentar o prato que fez eu criar essa paixão platônica pelo restaurante: o peixe. Antonio me deu três opções de peixe do dia, e eu escolhi o Dourado (15 €). (Desculpa, gente, não lembro quais eram as outras opções.)

O prato chegou pra mim da forma que vi na internet. Peixe, alface, pedra. O Dourado estava dourado, literalmente. Dourado de brasa, cheiro de brasa.

Provei.

– “Antonio, por favor, me diga que tempero você utilizou?”

– “Sal. Peixe fresco não precisa de nada além disso.”

E então, eu aprendi o que era um peixe fresco de verdade. Foi aqui que me emocionei com o Invicta pela segunda vez.

14

(Ah, o peixe veio acompanhado de batatas assadas com ervas e azeite.)

Já o Vinícius apostou nesse belo Polvo à Lagareiro (16 €). Polvo é uma carne visualmente tão linda, né?

A maciez do molusco só reforçou o talento da casa em trabalhar com frutos do mar. E o tempero… oh, céus. Não sei se algum dia comerei um Polvo à Lagareiro igual àquele.

Polvo à Lagareiro

Após o jantar, mais um mimo do restaurante: dessa vez degustamos o Licor de Ginja. Aliás, gostei muito desse (em relação aos outros que bebemos por lá), pois tinha um leve sabor de especiarias. Desfecho perfeito para uma noite memorável.

 

15

Enfim, Invicta Madragoa é comida simples e muito bem feita, é atendimento slow (BEM SLOW), mas querido e atencioso, é o cuidado aos pequenos detalhes.

Tudo isso fez desse jantar uma das melhores experiências gastronômicas da vida (e isso não é pouco se você notar o tanto que a gente come, hein?).

Se alguém me perguntar onde se come bem em Lisboa, essa é minha principal recomendação. ❤️

 

Serviço:

Endereço: Rua da Esperança Madragoa, nº 140 – Lisboa.
Funcionamento: De quinta à sábado, das 18h às 2h, e de domingo a terça, das 18h à 0h.

 

Para acompanhar minhas viagens e experiências em tempo real, siga o meu perfil no Instagram e curta a minha página no Facebook. 😉

Deixe seu comentário! :)

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.