Cambará do Sul, Destinos no Brasil
Comentários 4

Os cânions e as cachoeiras de Cambará do Sul

No dia 30 de julho, eu e o Vinícius completamos um ano de casados! <3 (Êeeee) Para comemorar a data, resolvemos fazer o que a gente mais gosta: viajar.

Fazia bastante tempo que eu queria conhecer Cambará do Sul, cidade que concentra o maior conjunto de cânions da América do Sul. Mas lá, descobri que Cambará vai além dos cânions: campos verdes, animais silvestres, cachoeiras deslumbrantes, restaurantes deliciosos e pessoas incríveis. É uma cidade que vale super a pena visitar e que me surpreendeu muitoooo!

É também uma viagem rápida de fazer: em apenas um final de semana conhecemos os dois principais cânions, Itaimbezinho e Fortaleza, e as surpresinhas da viagem, a cachoeira Tio França e a exuberante Cascata dos Venâncios.

Hoje você vai ler tudo sobre a cidade de Cambará e sobre os passeios que fizemos por lá. No próximo post, abordarei hospedagem e opções de restaurantes na cidade.

A cidade

Também conhecida como a “Terra dos Cânions”, Cambará do Sul é uma cidade pequena, com cerca de 6.500 habitantes. O município tem como base da sua economia a agricultura, a agropecuária, a apicultura, a exploração de madeira e o turismo.

Cambará faz divisa com as cidades gaúchas de São Francisco de Paula (vindo de Porto Alegre, passamos lá para o almoço), Jaquirana, São José dos Ausentes, e com o município catarinense Praia Grande.

Distância das capitais da região Sul:
Porto Alegre: 185 km
Curitiba: 717 km
Florianópolis: 409 km

40

Principal avenida de Cambará do Sul

Informações “práticas” para quem vai à cidade:

– Prepare-se para uma viagem off-line. O 3G dificilmente funciona e, às vezes, nem o sinal de telefone. Nos parques, conte com o celular apenas para tirar fotos.
– A voltagem elétrica em Cambará é 220V.

Prepare-se para não passar por imprevistos financeiros:

– Nem todos os estabelecimentos aceitam cartões de crédito. Informe-se previamente sobre o lugar que você está indo.
– Agências bancárias na cidade: apenas Banrisul e Sicredi.
– Não existem equipamentos de Banco 24 horas.
– Outras agências bancárias próximas à cidade: Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal –  no município de São Francisco de Paula, distante a 70 km de Cambará do Sul.

FAN FACT: Em 1971 o astronauta Stuart Roosa levou na missão da Apolo XIV sementes de diversas plantas, para observar o comportamento delas em ambiente lunar. Ao retornar, muitas germinaram e as mudas foram plantadas em vários países. Uma dessas sementes chegou até Cambará do Sul  – a sequoia que fica em frente à igreja Matriz São José. Plantada em 1982, a árvore tem aproximadamente 30 metros de altura, e 70 centímetros de diâmetro. O Rio Grande do Sul ainda tem uma segunda “sequoia lunar”, na praça principal do município de Santa Rosa.

64

A igreja Matriz São José, inaugurada em 1947, e a “sequoia lunar”.

Os cânions

Os principais atrativos da cidade são os cânions Itaimbezinho e Fortaleza, que se encontram em direções opostas na cidade.

É possível visitar os dois no mesmo dia (sem fazer todas as trilhas), mas para “evitar a fadiga” e aproveitar melhor o passeio, o melhor é reservar um dia para cada um deles. São muitas paisagens lindas em cada um, o ideal é ir sem pressa. (Nós fizemos os passeios nos cânions pela manhã, e nas cachoeiras de tarde – foi uma boa estratégia.)

As estradas

Para acessar os cânions, você vai passar por estradas de chão que, em algumas partes, são pedregosas e esburacadas… mas nada que impeça carros pequenos de fazerem o trajeto. Dirigindo devagar, todo mundo chega lá!

Se você é prevenido, uma dica interessante é: antes de iniciar o passeio, entre em contato com os parques ou com a  secretaria de turismo para saber como está a condição das estradas.

Para quem não for de carro até Cambará, ou não quiser ir com o próprio carro visitar os cânions, a cidade conta com diversas agências de turismo, que oferecem transporte e guias. Os passeios partem normalmente pela manhã, e é necessário contratar o serviço com pelo menos um dia de antecedência.

Cânion Itaimbezinho – Parque Nacional de Aparados da Serra

Distância do centro de Cambará do Sul: 18 km de estrada de chão
Dias de visitação: De terça a domingo (em feriados nacionais e em datas especiais, o parque abre para visitação às segundas-feiras)
Horários de visitação: Das 8h às 17h
Entrada gratuíta
Na entrada do parque, existe um centro de informações turísticas, com banheiros.

O Cânion Itaimbezinho fica situado no Parque Nacional de Aparados da Serra. Suas paredes medem 5,8 km de extensão, 720 metros de profundidade e 600 metros de largura.

82

As trilhas

No Itaimbezinho podem ser feitas três trilhas. Na entrada principal, em Cambará, onde fica a sede do Parque Nacional de Aparados da Serra, ficam as entradas da Trilha do Vértice e da Trilha do Cotovelo, que podem ser percorridas a pé ou de bicicleta. No interior do cânion, com entrada pelo município de Praia Grande (SC), fica o início da Trilha do Rio do Boi.

Trilha do Vértice (1,5 km, ida e volta)

Essa é uma trilha bem pequena e fácil, toda feita em uma passarela.

67

Nos primeiros dois mirantes, você pode ver a Cascata das Andorinhas e a Cascata Véu da Noiva.

65

66

No terceiro mirante, é possível ver as duas cascatas e o início do Cânion Itaimbezinho, que é em forma de vértice e dá origem ao nome da trilha.

68

Trilha do Cotovelo (6 km, ida e volta)

Para fazer essa trilha, é necessário entrar no parque até às 15h. A trilha é plana e fácil.

69

Status da trilha: fácil!

Chegando ao mirante é possível ver a imagem clássica dos paredões do Itaimbezinho, com o caminho do Rio do Boi no meio, e uma cascata.

51

Trilha do Rio do Boi (14 km, ida e volta)

Depois de percorrer o Itaimbezinho na parte alta, se você tem um bom preparo físico e disposição, é hora de desbravar o interior do cânion, na famosa Trilha do Rio do Boi. O acesso é por Praia Grande (SC) e só é possível fazê-la com o acompanhamento de um guia ou condutor credenciado no Parque Nacional de Aparados da Serra. Os valores variam conforme o número de pessoas.

São 14 km de caminhada em um terreno pedregoso, com cerca de 20 travessias por dentro do rio. Contando o deslocamento até Praia Grande, o passeio dura, em média, 10 horas.

Não chegamos a fazer essa trilha, mas ainda quero voltar lá para isso.

Cânion Fortaleza – Parque Nacional da Serra Geral

Distância do centro de Cambará do Sul: 23,8 km (9,2 km de estrada de chão)
Dias de visitação: Todos os dias
Horário de visitação: Das 8h às 17h (durante o horário de verão, o parque fica aberto até às 18h e a permanência é permitida até às 20h)
Entrada gratuíta

O Cânion Fortaleza é o principal atrativo do Parque Nacional da Serra Geral.  O Fortaleza possui 7,5 km de extensão e, em alguns pontos, até 900 metros de altura.

85

As trilhas

No Fortaleza é possível realizar três trilhas. São elas: Mirante do Fortaleza, Cachoeira do Tigre Preto e Pedra do Segredo. O acompanhamento de guias não é obrigatório.

Mas… antes de entrar em qualquer uma das trilhas principais, vou te dar uma dica! Logo na entrada do parque, à esquerda, em vez de seguir a trilha principal (Mirante do Fortaleza), dobre à esquerda e entre nesse caminho:

63

Em cerca de 5 minutos de um trajeto plano, você vai ter essa vista (pra mim, a mais bonita do Fortaleza):

62

Voltando às trilhas “oficiais”…

Trilha do Mirante (3 km ida e volta)

É a trilha principal e foi a única que fizemos por lá. Na caminhada, é possível observar 95% do Cânion Fortaleza. Em dias claros você consegue enxergar parte da planície catarinense e parte do litoral gaúcho (nós não conseguimos ver… =/).

55

Subida da Trilha do Mirante

Subimos em cerca de 40 minutos, sem pressa, com várias paradinhas para tirar fotos.

60

Se você for no inverno, prepare-se para passar muito frio no topo do cânion. Venta muito!!! Mas o visual é incrível… (valeu a pena o resfriado que peguei! kkk)

capa

A “dança das nuvens” também é uma coisa linda de ver.

83

Existem, ainda, essas duas outras trilhas:

Trilha da Cachoeira do Tigre Preto (2 km, ida e volta)
Nessa trilha é possível observar as três quedas d’água da Cachoeira do Tigre Preto. Antes de visualizar a cachoeira de frente, você passa por cima dela. A queda d’água têm 400 metros de altura. Quem tiver disposição, pode seguir em frente e conhecer a Pedra do Segredo.

Trilha da Pedra do Segredo (500m além da Trilha da Cachoeira do Tigre Preto)
Seguindo a trilha da Cachoeira do Tigre Preto é possível chegar até a Pedra do Segredo. A pedra chama a atenção por suas características geológicas. É formada por um bloco monolítico de cinco metros de altura e de aproximadamente 30 toneladas, equilibrada em uma base de apenas cinquenta centímetros.

Outras informações importantes sobre os parques:

– É proibido acampar, acender fogueira, levar bichos de estimação (nem mesmo aquele seu pequeno chihuahua de bolso) e alimentar animais silvestres.
– Cuide da sua segurança e a dos outros e obedeça as regras dos parques. Se houver avisos para não ultrapassar um ponto, respeite.
– Não danifique suas estruturas, sinalizações e a vegetação das trilhas.
– O lixo que produzir, leve de volta e dê a ele um destino correto.
– Use roupas leves e confortáveis, assim como tênis ou calçados apropriados para caminhadas.
– Leve protetor solar e repelente.

As cachoeiras

Você sabia que a região de Cambará do Sul, além dos cânions, também possui belas cachoeiras? Eu não sabia até chegar lá.

Como já falei por aqui algumas vezes, eu gosto bastante de me programar e viajar com o roteiro bem certinho, mas Cambará nos surpreendeu duplamente, com a cachoeira do Tio França e a Catarata dos Venâncios.

Cachoeira do Tio França – Estância Felicidade

Descobri a Estância Felicidade quando estava pesquisando restaurantes na região (vou falar mais sobre o nosso almoço lá no próximo post). Mas o que eu não sabia era que, além da parrilla deliciosa que eles servem, a propriedade conta com uma bela cachoeira. A entrada custa R$ 10 por pessoa, mas como almoçamos lá, não fomos cobrados.

A trilha para conhecer a cachoeira do Tio França tem aproximadamente 600 metros.

29

Depois de alguns minutos de caminhada, você já consegue enxergar a primeira queda.

99

O final da trilha não é tão fácil…

98

Mas a beleza da cachoeira compensa muito!

30

Você ainda pode passar por baixo de uma caverninha, à direita, e chegar bem ao lado dela.

97

A Estância Felicidade fica a cerca de 3km do centro de Cambará, você pega um pedaço de estrada de chão para chegar, mas o acesso é bem fácil.

Mesmo se você não for até lá para almoçar, conhecer a cachoeira é um excelente passeio para complementar um dia em Cambará.

Cascatas dos Venâncios

A Fazenda Cascatas dos Venâncios fica localizada a 23km de Cambará. Só de estrada de chão, você precisa pegar 14 km (saindo da cidade, você dobra no sentido Jaquirana e segue “toda vida”).

Importante: não coloque no GPS! O caminho que os aplicativos sugerem passa por dentro de propriedades, não é o oficial. Não tenha medo de ir sem GPS, vão ter muitas placas pelo caminho anunciando quantos quilômetros faltam para chegar.

A fazenda dos Venâncios não estava em nossos planos, mas graças à dica dos queridos proprietários da Pousada Recanto do Lago, onde ficamos hospedados (vou falar mais sobre ela no próximo post), conhecemos esse lugar incrível.

As cachoeiras são formadas pelo Rio Camisas, e são quatro grandes quedas. Ah, não se preocupe com a trilha… você estaciona o carro e já ouve o barulho dessa belezinha aí em baixo, que fica a poucos passos do estacionamento.

41

As outras quedas também ficam próximas, você anda ao lado do rio e vê todas elas. É uma mais linda que a outra!

44

Além disso, é muito gostoso percorrer a fazenda (que também é uma floresta de pinus), e descobrir paisagens escondidas.

43

76

42

Achei o Toad! 🙂

No verão, você pode tomar banho de cachoeira e passar o dia por lá, tem até alguns quiosques e churrasqueiras disponíveis para uso.

A entrada custa R$ 10 por pessoa. Na minha opinião, é parada obrigatória para quem visita a região.

Quando ir à Cambará

Em se tratando de visibilidade dos cânions, a melhor época para ir a Cambará é durante os meses de inverno, pois no verão há maior incidência de nevoeiros – mas isso é apenas uma probabilidade, tempo às vezes é questão de sorte. Detalhe: não é possível saber com antecedência como estará a visibilidade no dia seguinte.

Também é possível que no centro da cidade tenha sol e os cânions estejam cobertos de neblina. Em algumas situações a neblina dissipa rapidamente e em outras pode durar horas.

Essa época também é boa para quem quer experienciar uma das cidades mais frias do Brasil. Acordando cedo, muitas vezes você consegue tirar fotos dos campos branquinhos, cheios de geada.

Lembrando que o inverno é a alta temporada em Cambará (assim como os feriados nacionais), e os estabelecimentos de hospedagem podem trabalhar com tarifas diferenciadas nessa época.

Maaas… se você não gosta de frio e quer aproveitar para tomar uns banhos de cachoeira, melhor ir na primavera ou verão. 😉

Telefones úteis:

Casa do Turista
(54) 3251.1320

Secretaria Municipal de Turismo
(54) 3251.1557

Às vezes a gente fica tão ansioso em conhecer outros países, outros Estados, que acaba esquecendo de tudo o que tem de extraordinário perto da gente, né não?

Clica aqui pra ver Cambará sendo ainda mais linda: o carinho e atenção com que fomos recebidos. (E dicas de hospedagens e restaurantes na cidade!)

Posts relacionados

4 comentários

  1. Jakekine diz

    Ótimo post! Pensei em ir pra lá, mas estou na dúvida de onde ficar. Pelo que vi, Porto Alegre é mais próximo, compensa voar pra lá e contratar um transfer até o hotel/pousada? Como você fez? E já que você curtiu tudo em poucos dias, os gastos foram baixos também?

    • Olá, Jakekine! Obrigada pelas palavras! 🙂
      No próximo post vou dar várias dicas de onde se hospedar em Cambará, ele deve entrar amanhã no site. Pode ajudar na sua dúvida. 😉
      Voando até Porto Alegre, acho que compensa mais ir de ônibus até Cambará, e de lá contratar uma agência para fazer os passeios. Como foram poucos dias, gastamos menos em hospedagem (custou R$220 cada diária na pousada) e também em alimentação, mas como fomos de carro até lá, e fizemos todos os passeios por conta, gastamos bastante em gasolina. Enfim, não foi uma viagem baratíssima, mas valeu super a pena por tudo que deu pra fazer em tão pouco tempo. 🙂

  2. Ana Dina Lopes diz

    Adorei o post. Fotos lindas. Gostaria de saber quantos dias são suficientes para fazer tudo, inclusive a trilha do Rio do Boi. Grata, Ana

    • Oi Ana! Fizemos tudo isso em apenas dois dias! (No sábado foi Itaimbezinho + Cachoeira do Tio França, e no domingo Fortaleza + Cascata dos Venâncios)
      Para incluir a Trilha do Rio do Boi, tem que ser um dia inteiro só para ela. Então, três dias são suficientes para fazer tudo.
      Mas, para fazer tudo mais tranquilo, aproveitar mais tempo em cada atração (sem se cansar demais), sugiro quatro dias. 😉

Deixe seu comentário! :)

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.